Rio de janeiro
Agenda Inovação Setembro -   Outubro    -     Novembro   Avançar Voltar 2020 -   2021 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30

Entrevistas

Alexis Gonçalves

20/02/2010 - Índia, China e Brasil lideram inovação reversa

O recente anúncio de que a General Electric pretende instalar no Brasil seu primeiro centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da América Latina - será a quinta unidade de P&D da GE no mundo - reforça a teoria de que a inovação reversa é uma das novas tendências do processo de criação de novos produtos e serviços. A opinião é do consultor especializado em inovação, Alexis Gonçalves, que identifica um claro movimento de investimentos em novos pólos tecnológicos, como Índia, China e Brasil.

 

Criado pelo professor da Tuck School of Business, nos Estados Unidos, o indiano Vijay Govindarajan, o conceito de inovação reversa trata das inovações que são criadas e adotadas primeiro nos países emergentes e, só então, levadas para os mercados desenvolvidos.

 

 "As grandes empresas estão finalmente acordando para o fato de que já se foi o tempo em que os países em desenvolvimento limitavam-se a adaptar as novas tecnologias criadas nas matrizes das gigantes multinacionais", avalia Gonçalves, que cita o exemplo do Nano. Desenvolvido na Índia, o carro teve seu projeto remodelado para entrar no mercado europeu, em movimento contrário ao tradicional.

 

Autor dos livros Innovation Hardwired e Herramientas Avanzadas de Innovación, Gonçalves atuou em empresas como Citigroup, American Express e Accenture, em países da América, Ásia e Europa, sempre na área de consultoria e gestão da inovação. Hoje, ele lidera a implantação do programa de Inovação na área de Tecnologia em Negócios da Pfizer, em Nova York. Leia a entrevista com Alexis Gonçalves:

 

Qual é sua avaliação sobre o processo de inovação reversa?


Alexis Gonçalves: No início da globalização, os países desenvolvidos criavam tecnologias e novos processos e, às economias emergentes, cabia apenas realizar pequenas adaptações locais. Mas, cada vez mais, o que se vê é o processo de inovação reversa. Um bom exemplo é o Nano. Desenvolvido na Índia, o projeto foi adaptado pela Tata para o mercado europeu. A GE, que contou por dois anos com a consultoria de Vijay Govindarajan, reconhecidamente um dos maiores experts do mundo em estratégia e inovação, é outra grande companhia que se adiantou a esta tendência.

 

Mas esse movimento ainda é bastante discreto no Brasil se comparado a países como China e Índia, não?


Gonçalves: Sim, é verdade. Embora esteja mais adiantado que os países da América Latina, o Brasil está muito atrás da Índia e da China, que já entenderam que, sem inovação, não é possível prosperar. A inovação reversa representa uma importante mudança de paradigmas na forma de inovar. É preciso ter uma equipe local de pesquisadores qualificados, com autonomia suficiente para agir.

 

O que falta ao Brasil para acompanhar esses países?


Gonçalves: Diria que são cinco pontos. O primeiro é a proteção à propriedade intelectual. O fomento ao empreendedorismo e o investimento em educação também são fundamentais. Além disso, o Brasil precisa modernizar seu Judiciário. Porém, um dos itens mais importantes seria investir na formação de clusters, de forma a reunir universidades, centros de P&D, investidores e grandes empresas em um único lugar, como o que temos no Vale do Silício.


Outra tendência que vem se fortalecendo no País é o uso de sistemas de inovação aberta, no qual as empresas apostam no que se chama de "inteligência coletiva", ao contar com a colaboração de clientes para desenvolver novos produtos. Você acredita nesse modelo?


Gonçalves: A inovação aberta tem duas vertentes: outbound e inbound. A que está na moda é a inbound, quando uma empresa apresenta o problema ou o desafio e abre espaço para que as pessoas possam resolver ou sugerir soluções para o tema. Neste caso, toda a propriedade intelectual da ideia fica para a empresa. Dois bons exemplos são os sites da Fiat (Mio) e da Dell (Idea Storm).


A que tem menos procura é a outbound, quando alguém desenvolve uma tecnologia ou novo produto e oferece para alguma empresa implementar. Esta vertente é a mais arriscada, porque nesse caso não há controle sobre o sucesso do empreendimento.

 

Mas, quais são os riscos de expor as necessidades e os desafios da empresa num processo de inovação aberta?

                                              
Gonçalves: O segredo da inovação inbound é contar com uma capacidade de filtro extremamente eficiente. De forma geral, as companhias têm grande dificuldade em analisar, responder e articular as sugestões dentro de casa. Sem um back-end adequado - pessoas preparadas para receber as ideias, fazer uma triagem e encaminhar para os respectivos responsáveis - todo o projeto pode ser comprometido, afetando inclusive a imagem e a marca da empresa. É preciso contar com uma forte coordenação de comunicação.

 

 

(Fonte: IG - 20/02/2010)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE