Rio de janeiro
Agenda Inovação Setembro -   Outubro    -     Novembro   Avançar Voltar 2020 -   2021 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30

Entrevistas

José Gomes Temporão

24/01/2010 - Lei de patentes agravou fragilidade

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, diz que o Governo passou a tratar a área de saúde como espaço para o desenvolvimento e produção de riquezas.

Segundo ele, o Brasil não pode ficar de fora em áreas como nanotecnologia, novos materiais e robótica.

Embora esteja presente na política industrial desde o início do governo Lula, o setor de fármacos vem apresentando déficits expressivos. Por quê?


José Gomes Temporão: Nos anos 80, o Brasil era superavitário em insumos e princípios ativos para a produção de medicamentos.

Na década de 90, porém, houve a destruição deliberada da produção farmoquímica de capital nacional, e o Brasil passou a ser importador de matérias-primas.


De onde o Brasil mais importa esses produtos?


Temporão: Cerca de 30% do déficit vêm da China e da Índia. Grande parte das matérias primas se destina à produção de genéricos, que não são mais protegidos por patentes. No caso do Brasil, 20% do mercado são também genéricos, e isso tende a crescer ainda mais.

O que a China e a Índia têm que o Brasil não tem?


Temporão: China e Índia prolongaram o período de proteção de sua indústria nacional.

O Brasil, precocemente, aprovou uma lei de patentes que agravou ainda mais a nossa fragilidade. Mas o Brasil tem estabilidade econômica e 200 milhões de habitantes, que é um grande mercado. Temos uma agência reguladora, a Anvisa, e também segurança jurídica.

Qual a importância dos laboratórios públicos nesse processo?


Temporão: De um lado, servem como reguladores de mercado, porque temos um padrão de referência de preço e de qualidade. De outro, funcionam como um espaço de desenvolvimento de novas tecnologias e pesquisas.

O que está sendo feito para reduzir esta dependência?


Temporão: Criamos o Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde, o GECIS, que abrange uma série de agências e ministérios e está elaborando medidas práticas, que permitam reduzir o déficit.

A saúde passa a ser o eixo da política industrial, e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) incluiu, na agenda de prioridades de financiamento, o apoio ao complexo produtivo.

Além disso, queremos que empresários chineses e indianos se estabeleçam no Brasil.

 

(Fonte: O Globo - 24/01/2010)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE