Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Fármacos e Medicamentos

Notícias

Setor médico-hospitalar exporta US$ 581 milhões em 2008

A indústria brasileira médico-hospitalar e odontológica exportou US$ 581 milhões no ano passado, registrando um crescimento de 10% em relação às vendas externas de 2007. A meta inicial, estimada pela Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) junto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), era alcançar US$ 600 milhões.
 
O presidente da Abimo, Franco Pallamolla, acredita que as estimativas não foram superadas porque a cotação do dólar desfavoreceu o comércio exterior. A baixa cotação da moeda americana até o mês de setembro deixou as empresas, principalmente as pequenas e médias, menos competitivas em virtude da dificuldade de manter os preços. "O setor enfrentou ainda no último trimestre de 2008 a desaceleração da economia mundial. Com o anúncio da crise, o mercado freou algumas aquisições e postergou alguns investimentos", lembrou Pallamolla.
 
De acordo com o levantamento do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) realizado para a Abimo, o segmento que mais aumentou suas vendas externas foi o de Radiologia com 30,8%, seguido de Laboratório com 27,3%, Materiais de Consumo com 10,7%, Implantes com 9,7% e Equipamentos Médicos-Hospitalares com 4,3%. A área de Odontologia reduziu as exportações em 0,4%. Mesmo assim, a Odontologia encerrou 2008 com saldo positivo de US$ 38 milhões, exportando US$ 82 milhões e importando US$ 44 milhões.
 
Estados Unidos, Argentina e Venezuela foram os maiores compradores, respondendo por 40% das exportações brasileiras. Para pulverizar os negócios em 2009, o setor se prepara para avançar ainda mais na Ásia e na África. Como tarefa de casa, as companhias terão de investir em inovação tecnológica e certificações. A Abimo iniciará uma séria de ações para dar suporte às empresas; dentre elas a organização de um seminário sobre o mercado chinês. A Apex-Brasil também irá inaugurar um escritório na China. Com este trabalho, o setor espera atingir, pelo menos, US$ 600 milhões em exportações este ano.
 
Balança comercial fecha com déficit

As importações fecharam em US$ 2,7 bilhões, um crescimento de 26% quando comparadas as de 2007. O saldo eleva o déficit comercial da balança para US$ 2,1 bilhões. O desempenho negativo está atrelado ao câmbio, às políticas de isenção de impostos para insumos e produtos que têm produção nacional similar e as importações da China. "A concorrência desses importados tem prejudicado a indústria local e incrementado o déficit do setor. Agora, com a taxa e câmbio mais volátil, esperamos que o governo acelere alguns mecanismos de incentivo à indústria local, entre eles, o uso do poder de compra do Estado. Certamente, com a utilização deste instrumento de política industrial, poderemos diminuir e muito o grande e explosivo déficit comercial do setor", ressaltou Franco Pallamolla. Os maiores vendedores para o Brasil foram Estados Unidos, Alemanha, Japão e China.
 

(Fonte: Apex Brasil e Abimo - 06/02/2009)


Notícias relacionadas

Planalto prepara incentivos à exportação de empresas nacionais
Além de fornecer mais financiamento e benefícios fiscais para aumentar competitividade das empresas, Governo também deve preocupar-se com importações chinesas, de acordo com diretor da AEB


Brasil precisa resolver entraves internos para exportar mais
Para secretário da Unctad, adequar produtos de exportação às normas internacionais é medida necessária para ultrapassar barreira protecionista adotada por países em momentos de crise


País terá batalha para vender mais a China, Índia e Rússia
Comércio entre Brasil e membros do Bric deve diminuir com desaceleração econômica e especialistas alertam para inércia do Governo na tomada de medidas de estímulo às exportações

 

 

 

Outras notícias de inovação em fármacos

 

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE