Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Fármacos e Medicamentos

Notícias

Desafios da inovação no setor farmacêutico brasileiro

Apesar de já existirem iniciativas de sucesso, o ambiente de inovação no Brasil não é dos mais fáceis, quando comparado a outros países, inclusive no setor farmacêutico. No Vale do Silício, nos Estados Unidos, considerado berço da inovação no mundo, a mentalidade disruptiva é lei. Os profissionais que ali atuam não se conformam com o modelo atual das coisas. Além disso, eles têm apoio para pensar além do óbvio.

 

“Duas grandes universidades da região, Stanford e Berkley, são voltadas a formar pessoas interessadas em novos modelos de negócios. Além disso, há um investimento farto em novas ideias porque os empreendedores que já tiverem sucesso voltam a investir em startups da região. O dinheiro retroalimenta esse sistema de inovação”, descreveu o médico e sócio da I9MED Point of Care, Carlos Ballarati.

 

Entretanto, no Brasil o cenário é diferente. Inovar ainda é difícil e o ecossistema é imaturo. “Existe dinheiro, mas faltam bons projetos. Além disso, somos avessos ao fracasso. O capital tem medo do risco e procura startups mais estruturadas. A educação falha e as universidades com mentalidade retrógrada fazem com que tenhamos pouca afinidade com a disrupção”, complementou Ballarati.

 

Inovação no Brasil

Quando se trata de inovação em saúde, a dificuldade em inovar é ainda maior. Isso porque os profissionais do setor são treinados para minimizar riscos, enquanto que inovar funciona em lógica oposta. Além de combater essa mentalidade, é preciso ainda ficar atento às questões regulatórias que envolvem as novas tecnologias.

 

De acordo com a advogada e gerente de produtos do Dr. Consulta, Lara Garcia, tecnicamente não há nenhuma lei que fale sobre telemedicina ou e-saúde. Porém, diversas entidades já se pronunciaram sobre o tema. “Em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um documento em que reconhece o mobile health como o futuro da saúde. Além disso, publicou também um pacote de estratégias com o passo a passo que os países deveriam seguir para inserir a tecnologia na saúde”, conta.

 

Pelo menos 32 nações seguiram as recomendações e lançaram documentos com estratégias, inclusive o Brasil. Em 2014 o País divulgou o documento Estratégia de e-saúde para o Brasil. “Ali, recomenda-se que o Sistema Único de Saúde (SUS) incorpore o acompanhamento a distância para gestantes e doentes crônicos. Não é lei, nem política pública, é manifestação de vontade”, destacou Lara.

 

A jornada da inovação no setor farmacêutico no Brasil e em outros países será um dos temas abordados no Summit Inovação em Saúde. O evento realizado pela Contento Comunicação em parceria com o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), acontecerá em São Paulo (SP), no dia 08 de outubro de 2019.

Summit Inovação em Saúde

 

Data: 08 de outubro de 2019

Horário: 8h30 às 18h30

Local: Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olímpia, São Paulo – SP.

Inscrições e outras informações: summitsaude.com.br

 

 

 

(Fonte: Guia da Farmácia - 21/09/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE