Rio de janeiro
Agenda Inovação Agosto -   Setembro    -     Outubro   Avançar Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

  • Inovações em ciência e tecnologia são desafio para governos latino-americanos

    Inovações em ciência e tecnologia são desafio para governos latino-americanos

    Pela primeira vez, ministros e outras autoridades de nações da América Latina se encontraram para discutir o papel da ciência e da tecnologia na agenda socioeconômica de seus países. O resultado do encontro, encerrado na semana passada em Buenos Aires, mostrou que os países do continente consideram o setor uma área que incorpora componentes aplicáveis ao segmento produtivo e que, com isso, também pode abrir espaço à competitividade comercial.

  • Philips escolhe Brasil para desenvolver tecnologia inovadora

    Philips escolhe Brasil para desenvolver tecnologia inovadora

    A Philips pretende aprimorar a próxima geração de soluções em iluminação com base na tecnologia Organic Light-Emitting Diode (OLED na sigla em inglês) no Brasil, por meio de um projeto firmado com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI) e suporte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Atualmente, o OLED é pesquisado e desenvolvido pela Philips somente na Alemanha.

  • Entrevista: Secretário do MCT destaca metas para 2011

    Entrevista: Secretário do MCT destaca metas para 2011

    O secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT, Ronaldo Mota, detalha em entrevista, as principais atribuições do Comitê de Articulação para a Promoção de Centros de Pesquisa e Projetos Estratégicos de Inovação, criado no início deste mês por meio da portaria interministerial nº 930, de 5 de novembro.

  • Entrevista: Secretário do MCT destaca metas para 2011

    Entrevista: Secretário do MCT destaca metas para 2011

    O secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT, Ronaldo Mota, detalha em entrevista, as principais atribuições do Comitê de Articulação para a Promoção de Centros de Pesquisa e Projetos Estratégicos de Inovação, criado no início deste mês por meio da portaria interministerial nº 930, de 5 de novembro.\r\n\r\n

  • Continuidade marcará sucessão no MCT, afirma Rezende

    Continuidade marcará sucessão no MCT, afirma Rezende

    Distante das grandes barganhas políticas, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) faz transição tranquila entre o governo Luiz Inácio Lula da Silva e o de Dilma Rousseff. A presidente eleita ainda não divulgou o substituto de Sérgio Rezende, mas é dada como certa a saída do PSB da pasta. O partido do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, deve alçar voos mais altos no governo Dilma e terá de abrir mão do MCT, após oito anos sob seu comando. O nome mais cotado é do senador Aloizio Mercadante (PT). A falta de definição não preocupa a atual equipe.\r\n

  • Editorial: Ameaça à cadeia produtiva nacional

    Editorial: Ameaça à cadeia produtiva nacional

    O rápido aumento das importações pode afetar - e já há sinais inquietantes disso - a estrutura industrial brasileira, eliminando boa parte dos produtores de insumos e componentes. Esse risco é mostrado com clareza em nova pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Segundo o levantamento, 55% das fábricas nacionais já se abastecem no exterior e 23% desse grupo compra bens finais. As demais importam matérias-primas, bens intermediários, máquinas e equipamentos. A forte valorização do real tem estimulado a troca de fornecedores nacionais por estrangeiros, mas esse fator, embora importante, serve para explicar apenas parcialmente a mudança. As empresas brasileiras enfrentam outras desvantagens, quando têm de competir com indústrias de fora.

  • Continuidade marcará sucessão no MCT, afirma Rezende

    Continuidade marcará sucessão no MCT, afirma Rezende

    Distante das grandes barganhas políticas, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) faz transição tranquila entre o governo Luiz Inácio Lula da Silva e o de Dilma Rousseff. A presidente eleita ainda não divulgou o substituto de Sérgio Rezende, mas é dada como certa a saída do PSB da pasta. O partido do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, deve alçar voos mais altos no governo Dilma e terá de abrir mão do MCT, após oito anos sob seu comando. O nome mais cotado é do senador Aloizio Mercadante (PT). A falta de definição não preocupa a atual equipe.

  • CNI prevê aumento do ingresso de importados em 2011

    CNI prevê aumento do ingresso de importados em 2011

    O gerente-executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, avalia que o ingresso volumoso de produtos industrializados importados deve crescer em 2011, em função da grande oferta de manufaturados no mundo e da expectativa de que a taxa de câmbio permaneça valorizada. "Muito provavelmente, a tendência é de que deve avançar o ingresso de importados", disse Castelo Branco, em entrevista à imprensa em São Paulo, na qual foi apresentada a pesquisa "Investimentos na Indústria", realizada no País pela entidade com 454 empresas de todos os setores fabris.

  • As armas da indústria para sobreviver ao câmbio valorizado

    As armas da indústria para sobreviver ao câmbio valorizado

    Fabricação de produtos de qualidade duvidosa, desativação de linhas de produção, aumento na importação de componentes. São alguns dos artifícios da indústria brasileira para enfrentar a enxurrada de produtos importados que invadem o País diante do dólar mais barato. A ginástica para ganhar competitividade também tem servido para tentar recuperar ou manter exportações, já que o câmbio valorizado encarece os produtos brasileiros no exteriorFabricação de produtos de qualidade duvidosa, desativação de linhas de produção, aumento na importação de componentes. São alguns dos artifícios da indústria brasileira para enfrentar a enxurrada de produtos importados que invadem o País diante do dólar mais barato. A ginástica para ganhar competitividade também tem servido para tentar recuperar ou manter exportações, já que o câmbio valorizado encarece os produtos brasileiros no exterior.

  • Entrevista: Licitação acelerada do pré-sal pode levar à desindustrialização

    Entrevista: Licitação acelerada do pré-sal pode levar à desindustrialização

    O alerta é do presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. Segundo ele, com a aprovação do regime de partilha da produção, surgem duas forças contraditórias quanto à velocidade de licitação dos novos campos do pré-sal. Uma é pela licitação rápida das áreas para que o petróleo se transforme em riqueza e financie o Fundo Social. A outra é o fato de a indústria nacional ainda não estar preparada para atender à demanda.

Destaques

10º ENIFarMed

Inova Talentos

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE