Rio de janeiro
Agenda Inovação Março -   Abril    -     Maio   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Importações devem manter pressão sobre o saldo comercial

A queda das exportações e o aumento das importações, o que pressiona o saldo da balança comercial, cenário que reflete o comércio exterior brasileiro e mineiro em 2018, deve se repetir em 2019, conforme projeções da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). Além disso, tanto em Minas quanto no Brasil, a dependência dos embarques de commodities e produtos básicos continuarão ditando o ritmo das vendas externas e retirando do País e do Estado o controle sobre os preços destes tipos de produtos, que dependem da precificação no ambiente internacional.

 

Para 2019, a AEB projeta exportações de US$ 220,1 bilhões, 7,3% menos do que a estimativa para o encerramento de 2018 (US$ 237,4 bilhões). Em igual confronto, nas importações a projeção é de aumento de 2,1% no próximo ano. Para o saldo, a previsão é de que ele atinja US$ 33,7 bilhões, 38,6% menor que o previsto para 2018.

 

Em Minas, os dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) corroboram com a projeção da AEB para 2019. Até novembro, o Estado exportou US$ 21,807 bilhões em mercadorias, contra US$ 23,380 bilhões nos mesmos meses de 2017, queda de 6,7%. Já as importações aumentaram e, na mesma comparação, cresceram 26% em 2018. Com isso, o saldo da balança comercial mineira se manteve superavitário em US$ 13,396 bilhões, mas 19,9% menor do que em 2017.

 

“Minas representa exatamente o que é o Brasil em termos de comércio exterior. Para mudar e sair da dependência de produtos básicos, tem que mudar a estrutura do País, especialmente o sistema tributário, que, hoje, faz com que quanto mais se agrega valor ao produto, mais pesados são os impostos na hora de exportar”, afirmou o presidente da AEB, José Augusto de Castro.

 

Em Minas, por exemplo, até novembro deste ano, o minério de ferro e o café são os dois produtos mais importantes da pauta de embarques, com participação de 43%, juntos. No Brasil, o levantamento da AEB aponta que os produtos básicos representarão pelo menos 48,2% do total estimado para as exportações de 2019, enquanto que os produtos manufaturados devem alcançar participação de 35,7%.

 

Castro avalia que o ideal seria exportar produtos manufaturados, como fazem os países desenvolvidos. Porém, para o presidente da AEB, ao exportar commodities, do jeito que o Brasil e Minas fazem, estamos exportando matéria-prima pura, que será beneficiada no exterior, onde serão gerados os empregos qualificados.

 

Veículos – Um dado que também chamou a atenção foi o crescimento das exportações de veículos pelo País em 2018. A previsão da AEB é de que o Brasil encerre o ano com os automóveis respondendo por embarques da ordem de US$ 5,2 bilhões. No entanto, Castro alerta que a maior parte das vendas externas de automóveis são da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) para o mercado argentino.

 

Para o presidente da AEB, a dependência do mercado argentino, que enfrenta uma série de problemas, não é um bom sinal. Tanto que para 2019, a AEB estima que as exportações de automóveis devem somar US$ 4 bilhões e cair 23,4% em relação às de 2018.

 

 

 

(Fonte: Diário do Comércio - 14/12/18)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE