Rio de janeiro
Agenda Inovação Setembro -   Outubro    -     Novembro   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

INDÚSTRIA À ESPERA NA LINHA DE LARGADA

O sentimento de angústia ronda a indústria. Depois de a recessão derrubar a atividade produtiva, as fábricas brasileiras seguem apresentando números inferiores aos tímidos resultados do restante da economia. Prova disso é o desempenho do setor no primeiro trimestre.

 

No período, a indústria caiu 0,7%, enquanto que o Produto Interno Bruto (PIB) teve baixa de 0,2%. Foi o pior resultado entre o trio de setores produtivos, também formado por agropecuária e serviços.

 

- É um momento de apreensão. A indústria aguarda o tiro de largada. Está na linha de partida, doida para começar a corrida, mas não passa do aquecimento - descreve Flávio Castelo Branco, gerente-executivo de política econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

 

Como o recuo entre janeiro e março foi o segundo consecutivo, o setor retornou ao que analistas chamam de recessão técnica. Entre outubro e dezembro do ano passado, a queda na atividade nas fábricas havia sido de 0,3%.

 

- A indústria está patinando desde o final de 2018. Com o resultado das eleições, esperava-se mais rapidez no avanço de reformas e no crescimento da economia - observa Castelo Branco.

 

A demora para espantar a crise preocupa analistas, em parte, pelo fato de o setor ser intensivo em mão de obra. Além disso, estabelece forte relação comercial com os demais segmentos da economia.

 

Entre 2013 e 2017, as fábricas do país perderam 1,3 milhão de empregos, conforme pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número equivale a quase toda a população de Porto Alegre, estimada pelo IBGE em 1,4 milhão de pessoas.

 

No curto prazo, analistas não enxergam sinais de melhora consistente no quadro. Em abril, a produção industrial subiu 0,3% no país, mas ainda registrava queda de 2,7% no acumulado dos quatro primeiros meses do ano.

 

Castelo Branco avalia que a retomada robusta só virá a partir de mudanças na Previdência e no sistema tributário, mas cobra mais velocidade do governo em ações fora da agenda de reformas. As medidas incluem concessões e projetos para desburocratizar o setor produtivo, além da busca pelo Banco Central (BC) por redução nas taxas de juro no país, explica o analista.

 

O Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) apresenta análise similar. Em nota, aponta que o setor sofre com a falta de "condições favoráveis para a produtividade".

 

- O governo está muito centrado na Previdência. Mas há impaciência no setor empresarial pelo andamento de medidas que gerem aumento de competitividade, com redução de custos e financiamento - pontua Castelo Branco.

 

 

 

(Fonte: Zero Hora - 10/06/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE