Rio de janeiro
Agenda Inovação Maio -   Junho    -     Julho   Avançar Voltar 2020 -   2021 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Déficit de produtos químicos soma US$ 9 bilhões

As quantidades de produtos químicos importados bateram recorde, mas o déficit somou 9 bilhões entre janeiro e abril, segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). Nos quatro primeiros meses do ano, as importações de produtos químicos movimentaram 14,6 milhões de toneladas, aumento de 10,5% na comparação com iguais meses de 2019.

“Os aumentos foram registrados sobretudo em produtos químicos inorgânicos (11%), orgânicos (14,2%) e em resinas e elastômeros (7,6%), todos com significativa fabricação nacional. Já o volume das exportações, de janeiro a abril, chegou a 5 milhões de toneladas, aumento de 21,3% em relação aos quatro primeiros meses de 2019, crescimento concentrado especialmente em produtos inorgânicos (43%)”, indica.

Em relação ao déficit, ele teve um leve recuo de 1,1% em relação ao mesmo período de 2019. “De janeiro a abril de 2020, foram importados US$ 12,7 bilhões e exportados US$ 3,7 bilhões em produtos químicos, respectivamente reduções de 3,7% e de 9,3%. Em termos de representatividade no total do comércio exterior brasileiro, os produtos químicos responderam por 22,9% do total de US$ 55,6 bilhões em importações e 5,5% dos US$ 67,4 bilhões em exportações do País”, completa.

De acordo com o presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino, os resultados da balança comercial em produtos químicos, até abril, “são alarmantes e, somados aos enormes desafios de saúde pública e econômicos no enfrentamento da pandemia, colocam ainda mais prioridade sobre a agenda de reformas estruturais da economia brasileira e de ajustes competitivos, que serão fundamentais no momento de retomada da economia”.

“Nosso papel como setor essencial é preservar vidas no presente e é também pensar no futuro. É fundamental nos programarmos e agirmos ainda com mais velocidade e objetividade para o fortalecimento da competitividade, possibilitando a manutenção das plantas em operação e a atração de novos investimentos para recuperação da economia, sempre tendo como prioridade a vida”, destaca Marino.

 

 

 

 

(Fonte: Agrolink - 20/05/20)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE