Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

CNI quer que outros países latino-americanos façam parte de banco do BRICS

O presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade, propôs ao presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o indiano Kundapur Vaman Kamath, a entrada de novos membros da América Latina, entre os quais a Argentina, como membro da instituição, hoje composta por representantes do Brics (sigla para o grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Andrade também sugeriu que o NBD abra um escritório regional no Brasil.

 

Para a CNI, a abertura do escritório regional é fundamental para o engajamento de empresários brasileiros, além de contribuir com a circulação de informações e o conhecimento das realidades e regulamentos locais. Um escritório local também poderia facilitar o acesso aos recursos para os projetos de infraestrutura sustentável, importantes neste momento de retomada da economia nacional.

 

— A indústria brasileira quer que o Novo Banco de Desenvolvimento se torne uma instituição forte. Para isso, é preciso ter influência e atuação na América Latina. Também é importante que novos membros sejam aceitos, entre eles a Argentina — declarou o presidente da CNI.

 

Entre os sete projetos aprovados atualmente pelo banco, dois são chineses, dois indianos, um da Rússia, um da África do Sul e um do Brasil. O projeto brasileiro é um investimento de US$ 300 milhões em energia solar. Os sete projetos totalizam US$ 1,5 bilhão em investimentos.

 

Com objetivo de mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nos países do BRICS e em outros países em desenvolvimento, o banco apoia projetos públicos e privados por meio de empréstimos, garantias, participação acionária e outros instrumentos financeiros. A instituição possui capital subscrito inicial de US$ 50 bilhões e um capital autorizado inicial de US$ 100 bilhões.

 

Com sede em Xangai, na China, o banco abrirá seu primeiro escritório em Johanesburgo, na África do Sul. Por enquanto não filial prevista na América Latina

 

 

 

(Fonte: O Globo – 26/04/2017)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE