Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

PIB do Brasil sobe 0,2% no 2º tri e economia dá sinais de recuperação

A economia brasileira cresceu no segundo trimestre do ano, e a composição do resultado, segundo analistas, indica que a atividade começa a se recuperar.

 

O IBGE informou nesta sexta-feira (1º) que o PIB teve alta de 0,2% de abril a junho, frente aos três meses anteriores. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a economia avançou 0,3%.

 

O resultado ocorre após o PIB ter crescido 1% no primeiro trimestre, puxado pelo setor agropecuário, o que foi comemorado pelo governo de Michel Temer como o fim da recessão.

 

O número ficou acima do que esperavam analistas consultados pela agência Bloomberg. A aposta central era de que o PIB subiria 0,1% na comparação com o trimestre anterior.

 

No acumulado em quatro trimestres, a queda é de 1,4%.

 

No segundo trimestre, o setor agropecuário ficou estável, como era previsto, passado o efeito benéfico da colheita da safra recorde de grãos.

 

Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, afirma que a economia está no início de um processo de retomada, o que é esperado após três anos de recessão.

 

A inflação mais baixa e os juros decrescentes são o principal fator de estímulo, avalia a analista.

 

"Como o efeito da política monetária é crescente, o que começamos a ver agora é apenas o início da recuperação que veremos até o fim do ano", afirmou.

 

CONSUMO

Como resultado desse contexto, a renda das famílias está em recuperação, o que impulsionou o consumo após mais de dois anos de contração.

 

Segundo o IBGE, o consumo das famílias cresceu 1,4% no segundo trimestre em relação aos primeiros três meses do ano, primeiro resultado positivo desde o fim de 2014.

 

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o resultado também ficou positivo em 0,7%.

 

Esse número é relevante porque o consumo responde a 65% do PIB. É a conta mais importante de demanda da economia.

 

O IBGE diz que o consumo das famílias foi influenciado pelo enfraquecimento da inflação no segundo trimestre –que chegou a ser negativa em junho– e pela queda da Selic, a taxa básica de juros, além do crescimento dos salários no período.

 

Zeina afirma que os indicadores de endividamento das famílias melhoraram, o que abriu caminho para a retomada do crédito. Leitura semelhante ao do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em entrevista à Folha.

 

Os saques das contas inativas do FGTS e o encerramento do ciclo de demissões, antes do que previam os economistas, contribuem para este cenário.

 

Dessa maneira, os serviços ficaram positivo no segundo trimestre, com alta de 0,6% ante os primeiros três meses do ano. Em relação ao segundo trimestre do ano passado, a queda é de 0,3%.

 

Para Silvia Matos, coordenadora do boletim Macro do Ibre/FGV, a composição do PIB sugere que o segundo semestre será de resultados positivos.

 

"Números negativos para o PIB não estão mais no nosso radar", disse a economista.

 

Matos, porém, é mais receosa quanto à força da retomada. Embora mantenha previsão de crescimento de 0,3% neste ano e de 2% a 2,2% no ano que vem, ela afirma que há muitas incertezas que podem afetar o ritmo de recuperação da economia.

 

O principal risco vem do desempenho negativo das contas públicas e da turbulência política.

 

O deficit orçamentário piorou desde a divulgação do último PIB. E o governo, envolto em denúncias de corrupção contra o presidente Temer e seus principais assessores, perdeu força política na negociação com o Congresso Nacional por medidas que geram receitas.

 

"O mercado nos deu mais tempo para nos ajustarmos, e os juros mais baixos nos deixaram um pouco anestesiados. Mas um próximo baque ainda pode vir", disse. "Nada que aborte a recuperação, mas que pode torná-la mais lenta".

 

 

 

(Fonte: Folha de S. Paulo – 01/09/2017)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE