Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2018 -   2019 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

CNI defende integração entre Mercosul e Aliança do Pacífico para ampliar relações comerciais

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) calcula que 19 dos 25 principais setores industriais exportadores perderam participação na Aliança do Pacífico em dez anos. O setor aeronáutico, por exemplo, que tinha 6,3% do mercado em 2008, passou a ter apenas 0,8% no ano passado. Nesse período, as economias do bloco, formado por Chile, Colômbia, Peru e México, importaram mais da China, Estados Unidos e União Europeia.

 

Durante o seminário Mercosul-Aliança do Pacífico: reforçando os vetores da integração, no Itamaraty, nesta terça-feira (5), o vice-presidente da CNI, Paulo Tigre, defendeu a definição de uma agenda viável para acelerar a aproximação da Aliança do Pacífico com o Mercosul, formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

 

“Para que os países do Mercosul e da Aliança do Pacífico não fiquem em desvantagem com concorrentes em seus mercados, é preciso que os governos entrem em entendimento sobre uma agenda robusta de aprofundamento dos acordos entre os dois blocos. Entre os temas a serem explorados, destacamos acordos em barreiras técnicas, medidas sanitárias e fitossanitárias, facilitação de comércio, coerência regulatória e acumulação de origem”, disse Paulo Tigre.

 

O vice-presidente da CNI afirmou que considera como prioritário o avanço das relações entre os dois blocos principalmente por meio de acordos comerciais. Para Tigre, há um momento de maior alinhamento entre os governos e os setores privados dos oito países favorecendo um salto nessas relações.

 

Diplomacia

O ministro-interino das Relações Exteriores, José Antônio Marcondes de Carvalho, lembrou que os dois blocos assinaram no ano passado a Hoja de Ruta, o chamado Mapa do Caminho em português, com diretrizes para acelerar a agenda de integração.

 

Segundo ele, os países já formam praticamente uma área de livre comércio, com baixas tarifas – a exceção fica para a relação entre Brasil e México – e garantiu que a forma de transformar as intenções em negócios é avançar na facilitação de comércio. “A agenda de facilitação poderá produzir resultados palpáveis em menor prazo, pois temos compromisso com Organização Mundial do Comércio”, disse.

 

Para o ministro, a aproximação entre os dois blocos é parte importante da inserção do Brasil no mercado internacional e faz parte da estratégia de competição na América Latina. “Responde ao contexto internacional de fragmentação e protecionismo e impasse vivido pelo multilateralismo”, alertou.

 

Governo e Legislativo

Segundo o senador Armando Monteiro Neto (PTB-PE), a aproximação entre os blocos pode potencializar o comério intrarregional e tornar a América Latina como um todo mais atrativa para o investimento externo. “O Mercosul tem muito a aprender com os países da Aliança do Pacífico, que convivem com maior abertura comercial, pragmatismo político de que a agenda de negócios deve ser preponderante e maior dinamismo do comércio”, alertou.

 

A defesa do senador ecoou entre o representante da presidência pro tempore do Mercosul, o ministro paraguaio Juan Ángel Delgadillo, o vice-ministro de comércio do Ministério de Comércio Exterior e Turismo do Peru, Edgar Vásquez, e o secretário de Comércio Exterior e Serviços do Ministério de Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil (MDIC), Abrão Neto.

 

Há um certo consenso entre os governos e a iniciativa privada de que a agenda de facilitação de comércio. Essa agenda inclui a integração entre o Portal Único de Comércio Exterior e as Janelas Únicas dos outros sete países, para reduzir burocracia, custo de operação e prazos para se exportar e importar. “É uma agenda estratégica porque o Brasil está fazendo o movimento interno, mas é preciso que nossas ações se comuniquem com os nossos parceiros”, explicou Abrão Neto.

 

BID

O especialista principal e coordenador de Instrumentos Regionais de Integração do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Joaquim Tres, disse que acompanha diretamente os movimentos protecionistas dos Estados Unidos. Segundo ele, a integração entre Mercosul e Aliança do Pacífico seria uma opção na contramão do protecionismo, com benefícios imediados na ampliação do comércio e dos investimentos entre os países do bloco.

 

Tres lembra que o Mercosul não participa das cadeias globais de valor e o comércio entre as economias da América Latina não corresponde a um quinto dos bens intermediários que circulam pelo mundo.

 

Para acelerar a integração, Tres sugere a convergência regulatória entre os programas de Operador Econômico Autorizado (OEA) – que facilita a importação e exportação de empresas e intervenientes do comércio exterior certificados como sendo de baixo risco tanto em segurança física da carga quanto em cumprimento das obrigações aduaneiras – a expansão do Ceriticado de Origem Digital e a interoperabilidade dos programas Portal Único nos oitos países. “Para nós, a vontade política que nos troxe a esse seminário é a concretização da Hoja de Routa”, disse.

 

(*) Com informações da CNI

 

 

 

(Fonte: Brasil Comex – 05/06/2018)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE