Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2018 -   2019 Avançar
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Confiança do setor avança, diz Fiesp

O Índice de Confiança (IC Agro) subiu 1,9 ponto ante o segundo trimestre e atingiu 100,3 pontos no terceiro trimestre de 2018, mostrando que os empresários do agronegócio brasileiro ficaram moderadamente otimistas.

 

Houve avanço também no Índice de Confiança da Indústria (Antes e Depois da Porteira), que subiu 0,8 ponto, atingindo 99,3 pontos. Porém observa-se um comportamento distinto entre as empresas “antes da porteira”, que englobam insumos agropecuários, e cuja desconfiança aumentou – e as indústrias situadas “depois da porteira”, do setor de alimentos, que melhoraram o humor.

 

Na indústria “antes da porteira”, a queda no 3º trimestre foi de 3,8 pontos, para 95,4 pontos. As incertezas com relação à economia brasileira pesaram para o esfriamento dos ânimos. Mas nem todos os aspectos que compõem o índice são negativos. “De fato, a percepção sobre as condições do negócio melhorou no trimestre diante de entregas recordes de fertilizantes em julho, agosto e setembro, que mostraram recuperação frente à greve dos caminhoneiros e à indefinição dos fretes”, disse Roberto Betancourt, diretor titular do Departamento do Agronegócio (Deagro) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

 

No acumulado do ano, as entregas de fertilizantes somaram 25,9 milhões de toneladas, 4,4% acima do recorde registrado no mesmo período do ano passado. O setor de máquinas agrícolas também mostra sinais de recuperação. As vendas de junho a setembro são 18% maiores do que no mesmo período de 2017.

 

Já as indústrias “depois da porteira” recuperaram um pouco da confiança no atual levantamento. O índice desse segmento chegou a 101,0 pontos, alta de 2,7 pontos, o suficiente para sair de uma faixa moderadamente pessimista.

 

A recuperação se deve à melhora da percepção em relação às condições atuais do setor. “É bom lembrar, por exemplo, que no terceiro trimestre houve a retomada das negociações de grãos”, destacou Márcio Lopes de Freitas, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

 

Favorecidas pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, as exportações brasileiras de soja seguem em ritmo forte e o mercado já trabalha com a possibilidade de chegarem a 80 milhões de toneladas.

 

 

 

(Fonte: DCI - 30/10/18)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE