Rio de janeiro
Agenda Inovação Agosto -   Setembro    -     Outubro   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

China e EUA se reúnem para, espera-se, eliminar tensões comerciais

Representantes da China e dos Estados Unidos devem se reunir nesta quarta-feira, 30, para uma nova rodada de negociações sobre os conflitos comerciais que os países vêm travando desde abril do último ano.

 

Hoje, uma delegação enviada por Pequim e comandada pelo vice primeiro-ministro Chinês, Liu He, principal representante comercial da China, deve se reunir com o cabeça do comércio norte-americano, Robert Lighthizer,  e com secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, em Washington.

 

A reunião desta quarta-feira será o segundo encontro promovido entre os dois países para se chegar a um acordo sobre o impasse comercial de Trump e Xi Jinping. Assim como ocorreu no início do mês de janeiro, a expectativa é que se volte a discutir questões como a abertura do mercado chinês e a propriedade intelectual dos produtos norte-americanos.

 

Os conflitos comerciais entre a China e os Estados Unidos – que para alguns especialistas podem até mesmo ser chamados de guerra comercial – vem de longa data, mas só se acentuaram, de fato, em abril de 2018.

 

Desde 2006, o então secretário do tesouro dos EUA, Henry Paulson, já batia na tecla da redução do déficit comercial norte-americano com a China, que devido ao imenso volume de exportações, sempre se saiu mais favorecida na balança comercial.

 

Resgatando o sentimento de uma balança comercial desfavorável, durante a campanha presidencial de 2016, o então candidato Donald Trump já ameaçava taxar todos os produtos chineses em até 30%. Em abril de 2018, como presidente,

 

Trump cumpriu parcialmente sua promessa: fixou uma taxa de 25% para as exportações de aço e de 10% para o comércio de alumínio com alguns países, entre eles, a China.

 

Desde então, uma série de sanções comerciais passou a figurar o cotidiano das duas nações, e a China chegou  a recorrer à Organização Mundial do Comércio contra os entraves econômicos de Trump.

 

Analistas preveem que as tensões comerciais entre os dois países devem frear o crescimento econômico mundial para os próximos anos.

 

Após meses de embate, finalmente as duas nações voltam a sinalizar para a normalização do comércio internacional. Em novembro, durante a cúpula do G20, em Buenos Aires, os países assinaram um cessar-fogo.

 

A reunião desta quarta deve estender a trégua. Ao menos é o resultado pelo qual todos torcem.

 

 

 

(Fonte: Exame - 30/01/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE