Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Recessão na indústria mostra o desafio da prolongada estagnação

A indústria está em recessão, alerta o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), que reúne meia centena das maiores empresas do país. A queda na produção é constante desde meados do ano passado. Em março, o declínio já atingia dois terços do parque industrial brasileiro, com tendência a se espraiar por toda a base produtiva dos 15 estados mais industrializados.

 

Nos 26 estados e no Distrito Federal, confirma o IBGE, a retração no produto industrial, que havia sido de 0,3% no último trimestre do ano passado, avançou para 0,7% nos primeiros três meses deste ano.

 

Se excluídos os ramos de construção civil e de extrativismo — este fortemente influenciado pela tragédia da Vale em Brumadinho (MG) — , tem-se um retrato mais preciso da indústria de transformação: a queda foi de 1,5% entre outubro e dezembro do ano passado e passou a 1,7% de janeiro a março deste ano. Em São Paulo, o retrocesso completou nove meses seguidos, com 72% das fábricas afetadas neste ano.

 

O país está estagnado — para alguns economistas, à beira de uma depressão. De 1981 até 2018, cresceu muito abaixo da média dos países em desenvolvimento.

 

Há quase oito anos o Produto Interno Bruto brasileiro patina na faixa de 0,5% ao ano. Por 84 meses, até dezembro, a renda per capita evoluiu 0,3% anuais enquanto a população aumentava 0,8% ao ano. Significa empobrecimento numa economia com 13,2 milhões de desempregados. O Fundo Monetário Internacional lembra que, ao final da década, o Brasil terá registrado crescimento de 0,9%, inferior ao de 90% dos países.

 

O panorama não é animador. Não há estímulo ao investimento em escala suficiente para uma recuperação, por exemplo, acima de 2%. E sem o motor industrial, obviamente a retomada permanece distante.

 

A indústria tem papel essencial na produção de inovações tecnológicas, ajuda na geração de superávit na balança comercial e é vital no aumento da produtividade da economia. Reformas do Estado são vitais, sobretudo num quadro de atrofia no qual um servidor aposentado custa à União quase 15 vezes mais do que um aposentado da iniciativa privada.

 

É necessário, porém, que o foco governamental nas necessárias reformas para melhoria do desempenho futuro do setor público não eclipse o desafio da superação do cenário atual, de estagnação ou de pré-depressão. O governo precisa, com urgência, chegar a um consenso com o setor privado sobre os meios para se estimular a retomada dos investimentos no curto prazo. Além da reforma da Previdência.

 

 

 

(Fonte: O Globo - 03/06/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE