Rio de janeiro
Agenda Inovação Outubro -   Novembro    -     Dezembro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Exportações brasileiras para a União Europeia podem crescer US$ 9,9 bilhões se houver acordo com Mercosul, diz CNI

Animado com a possibilidade de ser anunciado, ainda nesta sexta-feira, um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE), após quase 20 anos de negociações, o setor produtivo brasileiro já faz as contas sobre o impacto da liberalização do intercâmbio entre os dois blocos nas exportações brasileiras. Segundo um estudo da Confederação Nacional da Indústria ( CNI ), o Brasil aumentará suas vendas para o mercado europeu em 23,6%, percentual equivalente a um adicional de US$ 9,9 bilhões por ano e com potencial de geração de 778 mil empregos.

 

Reação: França não assinará acordo com Mercosul, se Bolsonaro abandonar o Acordo de Paris, diz Macron

 

- O acordo é vantajoso não apenas para o Mercosul , mas também para os europeus - disse Carlos Abjaodi, diretor de desenvolvimento industrial da CNI.

 

Abjaodi destacou que a redução de tarifas de importação e a eliminação de barreiras ao comércio, como quotas e sobretaxas, beneficiarão as exportações brasileiras tanto de produtos agrícolas, como carne bovina, açúcar, frutas e vegetais, quanto industriais, com destaque para metais, materiais de transporte, vestuário, calçados e produtos de madeira.

 

Ministros do Mercosul e da UE estão reunidos em Bruxelas, na Bélgica, na tentativa de encerrar as negociações. Conforme fontes do Itamaraty, a perspectiva do anúncio de um acordo existe e é cada vez mais concreta.

 

O diretor da CNI afirmou não estar preocupado com a resistência de alguns países europeus, como França, Irlanda e Espanha ao acordo, ou com a adoção de novas barreiras protecionistas tendo como pretexto questões ambientais, por exemplo. As discussões técnicas, argumentou, já foram decididas e agora faltam poucos pontos a serem fechados sob o ponto de vista político.

 

- Tecnicamente não há mais o que fazer. Os últimos detalhes serão decididos pelos ministros - enfatizou.

 

 

 

(Fonte: Globo Online - 28/06/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE