Rio de janeiro
Agenda Inovação Setembro -   Outubro    -     Novembro   Avançar Voltar 2020 -   2021 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Valorização da indústria nacional

O mundo não é um estádio de futebol. Opiniões não são adversários e população não é torcida. A nova onda surfada pelos fanáticos é o boicote ao importado, baseado na falsa ideia da valorização da indústria nacional.

A campanha de valorização da indústria nacional é legítima, válida e necessária, desde que não seja elevada ao tom da polarização. Valorizar o produto nacional não significa boicotar nada, até porque você não vai se livrar do seu iPhone, do seu Ray-Ban ou esvaziar seu bar ou sua adega.

A globalização é um caminho sem volta. O mundo é conectado e dependente do comércio internacional. A esmagadora maioria da indústria nacional depende da importação, seja direta ou indireta, em alguma etapa da sua cadeia de produção.

Tecnologia, máquinas, peças, componentes, insumos e matérias-primas. A indústria nacional depende da importação para se manter competitiva e inovadora dentro de um mercado cada vez mais exigente. Do contrário, pesquise sobre os países mais fechados do globo. Aposto que você não gostaria de viver na Coreia do Norte.

O que deve ser repensado é a dependência de mercados específicos. A palavra-chave é diversificação. Ainda no início da presença humana na Terra, quando surgiram as sociedades agrícolas, o homem passou a depender de fontes específicas de alimento, atravessando grandes períodos de fome em razão de secas, incêndios ou terremotos. A colheita era o sustento de milhares. Hoje, a relação comercial brasileira com alguns países representa o sustento de milhões.

Valorize o turismo nacional, mas se puder, conheça outras culturas, viaje o mundo. Valorize o comércio local, dê preferência, mas seja livre enquanto consumidor. Valorize as atividades de brasileiros, mas lembre-se que há mais de nós buscando vidas melhores no exterior do que o contrário. Valorize a indústria nacional, mas não faça disso um novo jogo de polarizações. A moeda tem sempre dois lados, sempre complementares.

A Intervip Comércio Exterior tem monitorado diariamente a situação de pandemia do novo coronavírus no mundo. A Intervip continua oferecendo em sua integralidade suporte e prestação de serviços para as demandas relacionadas ao comércio internacional da sua empresa. Em caso de alguma dúvida com relação ao funcionamento de Portos e Aeroportos no mundo, bem como a situação de espaços e tarifas, fiquem à vontade para contar conosco neste momento.

Neste período de dificuldade na economia mundial, queremos estender nosso suporte a vocês e atendê-los em qualquer situação, a fim de fortalecermos nossa parceria, nosso relacionamento e confiança.

Um abraço de toda equipe Intervip.

(*) Renan Rossi Diez. Diretor na Intervip Comércio Exterior. Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas; Pós-Graduado em Administração de Empresas e MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais pela IBE-FGV Campinas. Autor do livro Minuto Comex. Contato: renan@portalintervip.com.br

 

 

 

 

(Fonte: Comex do Brasil - 29/04/20)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE