Rio de janeiro
Agenda Inovação Julho -   Agosto    -     Setembro   Avançar Voltar 2020 -   2021 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Falta de confiança da indústria continua forte em maio, indica CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial, produzido pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), ao qual a Coluna teve acesso, mostra que a crise causada pela pandemia da covid-19 afetou bruscamente a confiança dos empresários do setor em todo o País para investir, contratar e produzir. Nenhum tipo de atividade e de porte empresarial foi poupado.

Para a CNI, o cenário é preocupante. Foram avaliados 29 setores e em todos eles o índice está longe do nível registrado há um ano e somaram menos de 50 pontos. O indicador varia de 0 a 100 e qualquer dado abaixo de 50 é negativo.

Em maio, 14 setores tiverem índices menores do que os registrados em abril, sendo que os mais afetados foram couro, manutenção de máquinas e equipamentos, químicos, calçados e materiais elétricos.

Já outros 15 melhoraram em relação ao mês anterior, mas nenhum se aproximou de uma reversão do cenário de pessimismo. De acordo com o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca, “a melhora aparenta ser apenas um ajuste à forte queda registrada em março”.

Neste cenário, a indústria extrativa é a que apresenta o maior indicador (47,3 pontos), seguido pela indústria da construção (34,7 pontos). A confiança é menor entre os empresários dos setores de transformação, em especial nas áreas de calçados (26,6 pontos), vestuário (28,8 pontos), impressão e reprodução (29,2 pontos), e veículos automotores (29,6 pontos). Já os produtos mais usados pelas pessoas neste período apresentaram índices melhores: produtos de limpeza, perfumaria e higiene pessoal (45,1 pontos), farmoquímicos e farmacêuticos (41,5 pontos) e produtos alimentícios (41,3 pontos).

Os empresários da região Centro-Oeste são os mais confiantes neste momento, seguidos do Norte e do Nordeste. Os menores índices estão nas regiões Sul e Sudeste.

 

 

 

 

(Fonte: O Estado de S.Paulo - 28/05/20)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE