Rio de janeiro
Agenda Inovação Dezembro -   Janeiro    -     Fevereiro   Avançar Voltar 2020 -   2021 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Resultados 'encorajadores' de medicamentos para doenças reumáticas contra a COVID-19

O medicamento anakinra, comumente usado para tratar doenças reumáticas, está apresentando resultados "encorajadores" para formas graves da COVID-19, reduzindo o risco de morte e a necessidade de respiração artificial, de acordo com um estudo francês.

"A redução significativa na mortalidade associada ao uso de anakirna contra a COVID-19 neste estudo é encorajador nestes tempos difíceis", escreve o reumatologista Randy Cron, da Universidade do Alabama (Birmingham, Estados Unidos), na revista especializada The Lancet Rheumatology, onde a pesquisa é publicada e destaca o "perfil de segurança favorável" deste medicamento bem conhecido pelos reumatologistas.

O objetivo é combater a "tempestade de citocinas", uma reação inflamatória descontrolada que surge nas formas mais graves de pneumonia por COVID-19, levando à síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) e que ocorre quando os pulmões não fornecem oxigênio suficiente aos órgãos vitais e o paciente precisa de ventilação artificial.

Especificamente, o anakinra bloqueia uma das citocinas envolvidas nessa "tempestade inflamatória", a interleucina-1 (IL-1).

De acordo com a equipe médica, Thomas Huet e colegas do Grupo Hospitalar Saint-Joseph de Paris (GHPSJ), a administração por injeção subcutânea durante 10 dias do anakinra a 52 pacientes graves do coronavírus permitiu uma "redução estatisticamente significativa no risco morte e permanência em reanimação para assistência respiratória por ventilação mecânica".

Um quarto dos pacientes tratados com anakinra foram transferidos para reanimação ou morreram, em comparação com 73% que não receberam esta bioterapia.

O grupo de comparação foi composto por 44 pacientes que estavam na mesma instituição.

No grupo que recebeu anakinra, houve uma rápida diminuição na necessidade de oxigênio após 7 dias de tratamento.

"Na ausência de testes terapêuticos que incluam medicamentos imunomoduladores para nossos pacientes, a decisão (...) adotada para propor anakinra, de acordo com os critérios de gravidade decididos por consenso, mudou rapidamente o aspecto da doença na enfermaria", explica o professor Jean-Jacques Mourad, co-signatário do estudo. "O benefício era 'palpável' diariamente", acrescentou.

"Atualmente, há uma dúzia de testes clínicos explorando o bloqueio da citocina IL-1 associada à síndrome da tempestade inflamatória da COVID-19", escreve o Dr. Randy Cron.

Três pequenas séries de casos (incluindo um italiano) relataram que o anakinra beneficia pacientes que contraíram a COVID-19.

"Mas este estudo fornece as evidências mais conclusivas até o momento de que o anakinra pode beneficiar pacientes que sofrem da síndrome da tempestade de citocinas associada à COVID-19", afirmou.

 

 

 

 

(Fonte: Estado de Minas - 30/05/20)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE