Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Luciano Coutinho será o novo presidente do BNDES

Luciano Coutinho será o novo presidente do BNDES

 O economista Luciano Coutinho, professor titular do Instituto de Economia

 da Universidade de Campinas (Unicamp) e ex-secretário-executivo do

 Ministério da Ciência e Tecnologia, será o novo presidente do Banco

 Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Especialista em

 economia industrial e internacional, e organizador de diversos estudos

 sobre competitividade, Coutinho é considerado um desenvolvimentista. Em

 recente entrevista à Agência Câmara, o novo presidente do BNDES defendeu a

 redução de juros. "Não estou pensando em reduzir o juro real de 11%, que é

 absurdo, para 8%, que é possível. Estou pensando em uma redução do juro

 real da economia para 4% ou 5%, no período de dois, três anos. Para isso,

 é preciso que haja uma confiança muito grande em que o País vá se

 desenvolver. Aí, duas coisas são necessárias: robustez fiscal e

 investimento. O investimento é que cria a confiança de que a oferta vá

 crescer, e o crescimento da oferta irá impedir que as pressões

 inflacionárias apareçam. A China cresce a 10% há vinte e tantos anos. Por

 que a China não entrou em um surto inflacionário violento? Não é porque o

 governo chinês controla preço. A China produz tanto que de vez em quando

 cria até ciclos de deflação por excesso de oferta. Esse é o caminho

 inteligente para crescer", constatou.

 Outra questão levantada por Coutinho foi a criação de empregos de

 qualidade. "Precisamos de política industrial e de política de

desenvolvimento de serviços. Nós só vamos conseguir isso ao apostarmos na

 capacidade de o Brasil desenvolver novas capacitações e especializações

 competitivas no seu sistema produtivo e no seu sistema de serviço. Mas é

 claro que a política industrial só funciona quando se tem câmbio

 competitivo e juro minimamente razoável. Tenho esperança de que a mudança

 macroeconômica permita ao Brasil apostar em novas especializações",

 declarou.

 O comportamento do BNDES em relação ao setor de serviços também foi

 destacado por Coutinho. "Quando o nosso BNDES empresta recursos, ele quer

 garantias reais. É preciso mudar essa cultura. É preciso saber financiar

 bens intangíveis. Mas isso requer novos instrumentos. Falta      criatividade

 na política brasileira nesse sentido", afirmou.

 

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE