Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
RETS

Notícias - RETS

Os indicadores tecnológicos da desindustrialização brasileira

O momento atual do setor produtivo poderia ser classificado como "desindustrialização à brasileira". Indo além do entendimento clássico de desindustrialização como a retração da produção industrial, a expressão aponta que o processo do Brasil é bem peculiar. Segundo o diretor-geral da Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec), Roberto Nicolsky, sua característica é o esvaziamento tecnológico das cadeias produtivas. As fábricas nacionais deixam de atuar nas etapas produtivas que mais concentram tecnologia e passam a importar. O problema será debatido no X Encontro Nacional da Inovação Tecnológica (Enitec), que terá como tema "Déficit tecnológico e riscos de desindustrialização". O evento acontecerá nos dias 25 e 26 de maio, em São Paulo.

Para verificar a competitividade dos segmentos industriais brasileiros de maior intensidade tecnológica no comércio exterior, a Protec criou o indicador de déficit tecnológico. Ele inclui o saldo comercial dos grupos de alta e de média-alta tecnologia e das contas de serviços tecnológicos. Em 2010, o déficit tecnológico do País ficou em US$ 84,9 bilhões, superando em mais de US$ 20 bilhões, ou 33,2%, o resultado de 2008 - o pior registrado até então. O agravamento do indicador acompanha a trajetória de valorização do real, a partir de 2006.

A gravidade do déficit tecnológico registrado em 2010 revela a fragilidade da indústria brasileira, que, segundo Nicolsky, enfrenta o risco de desindustrialização com a alta do real e o custo Brasil. Para ele, se a tendência se mantiver, o País perderá cada vez mais conteúdo tecnológico. Por isso, o diretor da Protec destaca a importância de as entidades setoriais da indústria participarem do X Enitec, além de encaminharem previamente para a Protec suas sugestões de mudanças nas políticas econômica e de inovação. Ao fim do Encontro, o material será reunido em uma Carta de Proposições para ser encaminhada ao governo.

 

 

(Fonte: Boletim Enitec - 30/04/2011)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE