Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2018 -   2019 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
RETS

Notícias - RETS

Anvisa permite consulta pública sobre revisão da qualidade de agroquímicos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) permitirá que seja feita uma consulta pública pelo tempo de 30 dias para que a Instrução Normativa Conjunta (INC) 02/2008, que estabelece limite máximo para as impurezas presentes em agrotóxicos seja revisada. Em linhas gerais, a INC tira do governo a responsabilidade de informar ao consumidor e as autoridades sobre impurezas encontradas nos produtos, deixando essa função a critério do fabricante ou exportador.

 

A abertura da consulta foi desencadeada sobre resolução ao ingrediente ativo C32 – CLETODIM, contido na Relação de Monografias dos Ingredientes Ativos de Agrotóxicos, Domissanitários e Preservantes de Madeira. De acordo com os idealizadores, a ideia dessa nova norma é atualizar as definições que acontecem de forma constante no texto da resolução, uniformizar as informações que são prestadas pelos fornecedores ao governo e alterar as diretrizes para a apresentação do certificado de análises que são feitas em produtos fabricados no Brasil ou importados.

 

A minuta que será submetida a consulta popular estabelece, entre outras coisas, que as amostras em análise devem ser feitas lote a lote, sendo assim, não serão aceitas mais avaliações realizadas com mais de um lote ou batelada. Também é sugerido que o provedor do registro deverá se responsabilizar pelo controle das impurezas e também responder pelos seus respectivos danos, mesmo quando os produtos tenham sido fabricados ou importados por terceiros.

 

A Diretoria Colegiada também aprovou uma resolução que flexibiliza a importação de substâncias destinadas ao uso de instituições de ensino, pesquisa, laboratórios analíticos e autoridades periciais. De acordo com o relator Fernando Mendes, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) tem dificuldade em obter esses produtos para análise toxicológica, que é requisito para aprovações de habilitações de motoristas profissionais.

 

 

 

(Fonte: Agrolink – 06/06/2018)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE