Rio de janeiro
Agenda Inovação Maio -   Junho    -     Julho   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
RETS

Notícias - RETS

Vendas de defensivos biológicos dispararam em 2018

As vendas de defensivos biológicos cresceram 77% em 2018, com faturamento de R$ 464,5 milhões de reais contra os R$ 262 milhões registrados em 2017. Os números, um recorde para o setor, foram divulgados durante entrevista coletiva realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico (ABCBio) nesta quinta-feira (21/3), em São Paulo (SP).

 

De acordo com o novo presidente-executivo da associação, Arnelo Nedel, o aumento nas compras de biofungicidas, cujas vendas cresceram 148%, e o trabalho das empresas junto aos produtores foram responsáveis pelo desempenho.

 

Segundo a ABCBio, o setor ainda está se consolidando e o aumento do uso dos biodefensivos em culturas que ocupam grandes áreas como a soja, responsável por mais de 50% das vendas, eleva muito o uso desses produtos.

 

Em termos de culturas o crescimento maior foi registrado no setor da hortifruticultura, que sente mais imediatamente a preocupação dos consumidores. “Quando o consumidor vai comprar uma fruta ou hortaliça ele está mais preocupado, nesse mercado ele é mais incisivo”.

 

Apesar do aumento vertiginoso das vendas no ano passado, os executivos não acreditam em um crescimento semelhante para 2019. “O crescimento deve voltar aos patamares de 15, 20% quer vinha tendo nos anos anteriores, quando houve fatores específicos para o crescimento do mercado como a explosão da helicoverpa armigera”, disse Arnelo.

 

De acordo com a consultora executiva Amália Borsari, culturas como soja, algodão, café e cana ainda têm baixa adesão ao mercado de biológicos. Com o desenvolvimento de novas tecnologias a tendência deve ser de crescimento. Com isso, a participação dos biológicos deve ser ainda maior no mercado total de defensivos. Hoje, a fatia dos biológicos é de 2% do total. “Nós não comparamos porque são mercados muito diversos. O crescimento dos biodefensivos é muito mais acelerado porque é um mercado novo”.

 

Custo

Segundo a ABCBio, a discussão sobre o preço dos biológicos é ampla. “Se pensarmos que em escala o biológico é muito menor é mais caro. Quando trabalhamos com moléculas e temos demanda maior de mercado uma indústria pode rodar 24 por sete e paga a produção. Quando produzimos micro-organismos não podemos fazer com que cresçam mais rápido. Produzir de forma eficiente é mais caro que a molécula química de um modo geral", disse Arnelo.

 

Mas para a associação, uma coisa não se opõe à outra. Cada vez mais há o entendimento do uso conjunto dos produtos sintéticos com os biológicos. “O biológico torna o químico mais eficiente”, disse o presidente da ABCBio.

 

Curte o conteúdo da Globo Rural? Ele também está no Globo Mais. Nesse aplicativo você tem acesso a um conteúdo exclusivo e às edições das melhores publicações do Brasil. Cadastre-se agora e experimente 30 dias grátis.

 

 

 

(Fonte: Globo Rural - 23/03/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE