Rio de janeiro
Agenda Inovação Setembro -   Outubro    -     Novembro   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
RETS

Notícias - RETS

Pesquisadores levam tecnologias da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia a eventos

Nos meses de setembro e outubro, três tecnologias desenvolvidas nos laboratórios da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia localizada em Brasília (DF) serão expostas em dois importantes eventos: o 4º Nanotrade Show, que acontecerá em São Paulo (SP) entre os dias 24 e 26 de setembro de 2019 e o XXV IUFRO (Congresso da União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal), que acontece entre os dias 29 de setembro e 05 de outubro em Curitiba (PR).

 

Para o 4º Nanotrade Show, considerado o mais importante evento de nanotecnologia no Brasil, o pesquisador Luciano Paulino levará a tecnologia dos nanopigmentos magnéticos, desenvolvida no Laboratório de Nanotecnologia (LNANO) em parceria com a empresa TecSinapse, e que já está à disposição do setor industrial.

 

O processo de produção dos nanopigmentos magnéticos se dá por meio de rotas eco amigáveis, ou seja, com menor produção de resíduos e toxicidade, sendo que durante o processo é possível realizar a modulação das cores das nanopartículas magnéticas, conferindo-lhe novas propriedades. As aplicações vão desde promover novas cores para esmaltes de unha até a marcação de animais de um rebanho, passando por outros empregos em diversas áreas.

 

“O uso desse material pode ocorrer em diversos setores, especialmente na agricultura, mas também na biomedicina, na farmacologia e até mesmo na indústria têxtil e cosmética”, diz o pesquisador Luciano Paulino, que coordena o LNANO. O desenvolvimento da tecnologia está em consonância com os princípios da química verde, que tem como um de seus pilares a preocupação com o meio ambiente.

 

Já para o XXV Congresso Mundial da IUFRO, cujo tema este ano é "Pesquisa Florestal e Cooperação

para o Desenvolvimento Sustentável", serão levadas duas tecnologias: o Chip de Genotipagem desenvolvido pelo pesquisador Dario Grattapaglia e o Biorreator criado pelo pesquisador João Batista Teixeira.

 

Lançado em 2015, o chip de genotipagem EUCHIP60K para Eucalipto possui 60 mil SNPs (Single Nucleotide Polymorphism), cobrindo mais de 96% do genoma de Eucalyptus e fornecendo um marcador a cada 10kb do genoma. Este sistema de genotipagem, o maior em número de marcadores para espécies florestais no mundo e o mais flexível já desenvolvido em termos de atender simultaneamente a diversas espécies de um mesmo gênero, já vem sendo utilizado pela Embrapa e mais de 10 empresas florestais no Brasil e no mundo desde 2013 e mais de 20 mil árvores já foram genotipadas na implementação operacional da Seleção Genômica (SG) no melhoramento florestal colocando o Brasil na vanguarda da adoção desta tecnologia no melhoramento.

 

Já o Biorreator, lançado em 2008, é um equipamento desenvolvido para a produção automatizada de mudas de plantas pelo cultivo de células, tecidos ou órgãos, com higiene, segurança e economia. Funciona a partir de um sistema de frascos de vidro interligados por tubos de borracha flexível, pelos quais as plantas recebem ar e solução nutritiva por aspersão ou borbulhamento.

 

Os materiais a serem reproduzidos, como células, tecidos ou órgãos, são armazenados no biorreator que produz plantas de forma semiautomática. A produção é monitorada e as condições de cultivo são controladas, com menor manipulação das culturas.

 

“O biorreator reduz significativamente os custos com mão-de-obra, além de acelerar o ciclo de produção e aumentar a produtividade e, por isso, representa uma ótima opção para as empresas de fruticultura, produção de plantas ornamentais, reflorestamento, papel e celulose e madeireiras”, afirma o pesquisador João Batista Teixeira.

 

O biorreator apresenta ainda outras vantagens em relação aos métodos tradicionais de produção de muda, como adaptabilidade a diversas espécies vegetais; uniformização da produção; simplicidade de montagem; geração de produtos isentos de pragas e doenças; e redução do custo total por unidade produzida.

 

Considerado o mais importante evento de nanotecnologia no Brasil, a Nano Trade Show reúne o que há de mais atual do setor, como pesquisas, desenvolvimentos, aplicações e soluções em nanotecnologia.

 

Nos meses de setembro e outubro, três tecnologias desenvolvidas nos laboratórios da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia localizada em Brasília (DF) serão expostas em dois importantes eventos: o 4º Nanotrade Show, que acontecerá em São Paulo (SP) entre os dias 24 e 26 de setembro de 2019 e o XXV IUFRO (Congresso da União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal), que acontece entre os dias 29 de setembro e 05 de outubro em Curitiba (PR).

 

Para o 4º Nanotrade Show, considerado o mais importante evento de nanotecnologia no Brasil, o pesquisador Luciano Paulino levará a tecnologia dos nanopigmentos magnéticos, desenvolvida no Laboratório de Nanotecnologia (LNANO) em parceria com a empresa TecSinapse, e que já está à disposição do setor industrial.

 

O processo de produção dos nanopigmentos magnéticos se dá por meio de rotas eco amigáveis, ou seja, com menor produção de resíduos e toxicidade, sendo que durante o processo é possível realizar a modulação das cores das nanopartículas magnéticas, conferindo-lhe novas propriedades. As aplicações vão desde promover novas cores para esmaltes de unha até a marcação de animais de um rebanho, passando por outros empregos em diversas áreas.

 

“O uso desse material pode ocorrer em diversos setores, especialmente na agricultura, mas também na biomedicina, na farmacologia e até mesmo na indústria têxtil e cosmética”, diz o pesquisador Luciano Paulino, que coordena o LNANO. O desenvolvimento da tecnologia está em consonância com os princípios da química verde, que tem como um de seus pilares a preocupação com o meio ambiente.

 

Já para o XXV Congresso Mundial da IUFRO, cujo tema este ano é "Pesquisa Florestal e Cooperação

para o Desenvolvimento Sustentável", serão levadas duas tecnologias: o Chip de Genotipagem desenvolvido pelo pesquisador Dario Grattapaglia e o Biorreator criado pelo pesquisador João Batista Teixeira.

 

Lançado em 2015, o chip de genotipagem EUCHIP60K para Eucalipto possui 60 mil SNPs (Single Nucleotide Polymorphism), cobrindo mais de 96% do genoma de Eucalyptus e fornecendo um marcador a cada 10kb do genoma. Este sistema de genotipagem, o maior em número de marcadores para espécies florestais no mundo e o mais flexível já desenvolvido em termos de atender simultaneamente a diversas espécies de um mesmo gênero, já vem sendo utilizado pela Embrapa e mais de 10 empresas florestais no Brasil e no mundo desde 2013 e mais de 20 mil árvores já foram genotipadas na implementação operacional da Seleção Genômica (SG) no melhoramento florestal colocando o Brasil na vanguarda da adoção desta tecnologia no melhoramento.

 

Já o Biorreator, lançado em 2008, é um equipamento desenvolvido para a produção automatizada de mudas de plantas pelo cultivo de células, tecidos ou órgãos, com higiene, segurança e economia. Funciona a partir de um sistema de frascos de vidro interligados por tubos de borracha flexível, pelos quais as plantas recebem ar e solução nutritiva por aspersão ou borbulhamento.

 

Os materiais a serem reproduzidos, como células, tecidos ou órgãos, são armazenados no biorreator que produz plantas de forma semiautomática. A produção é monitorada e as condições de cultivo são controladas, com menor manipulação das culturas.

 

“O biorreator reduz significativamente os custos com mão-de-obra, além de acelerar o ciclo de produção e aumentar a produtividade e, por isso, representa uma ótima opção para as empresas de fruticultura, produção de plantas ornamentais, reflorestamento, papel e celulose e madeireiras”, afirma o pesquisador João Batista Teixeira.

 

O biorreator apresenta ainda outras vantagens em relação aos métodos tradicionais de produção de muda, como adaptabilidade a diversas espécies vegetais; uniformização da produção; simplicidade de montagem; geração de produtos isentos de pragas e doenças; e redução do custo total por unidade produzida.

 

 

 

(Fonte: Embrapa - 01/08/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE