Rio de janeiro
Agenda Inovação Dezembro -   Janeiro    -     Fevereiro   Avançar Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
SENAI

Notícias

Presidentes de agências de fomento discutem financiamento da pesquisa

Os investimentos em ciência no País foram crescentes desde o início dos anos 2000, tendo aumentado mais de 2,4 vezes, em termos reais, entre 2000 e 2014. No último ano da série, os dispêndios públicos em Ciência, Tecnologia e Inovação atingiram R$ 49,9 bilhões. Esse financiamento viabilizou a consolidação de uma rede de cinco mil infraestruturas de pesquisa, o que possibilitou que o Brasil saltasse da 24ª posição em publicações científicas, em 1993, para a 13ª, em 2016. A formação de mestres e doutores quintuplicou nos últimos anos.

 

Esse cenário é traçado pelo presidente da Finep, Marcos Cintra, que alerta para o risco de retrocesso. “A crise atual, no entanto, representa um grave perigo de que os avanços alcançados ao longo dos últimos 20 anos sejam desperdiçados e perdidos”, afirma Cintra, que vai participar, no dia 19, às 13h, no CAD2, de mesa-redonda sobre o financiamento da ciência brasileira nos próximos 20 anos.

 

Embora considere necessária a Emenda Constitucional 95, a do teto dos gastos públicos, Cintra defende que, mesmo em regime de contenção fiscal, os investimentos em ciência, tecnologia e inovação devem ser priorizados, a exemplo do que ocorre com educação e saúde. “Mas até o momento, isso não tem ocorrido. A oferta de recursos tem caído drasticamente, muito além do preconizado na recentemente aprovada Emenda Constitucional 95, que não prevê que os gastos globais sejam reduzidos, e, sim, que não ultrapassem a inflação medida no período”, afirma o presidente.

 

A presidente da SBPC, Helena Nader, que vai mediar o debate, também destaca o crescimento da ciência brasileira – “é para ter orgulho” – e vê o financiamento da pesquisa como fonte de preocupação. “Precisamos, no mínimo, retomar o financiamento nas bases de 2013”, defende ela, que vislumbra “uma esperança” no Marco Legal de Ciência e Tecnologia (Lei 13.343/16). “Sua regulamentação pode proporcionar o incentivo que o empresário precisa para investir em ciência e tecnologia, que é capital de risco”, reconhece a presidente, professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

 

Mudança de cenário

O presidente do CNPq, Mário Neto Borges afirma que, no Brasil, ciência, tecnologia e inovação não têm, aos olhos da população, o mesmo valor que educação, saúde e segurança pública. Neto vê essa situação agravada pelo volume de recursos que o País investe em CT&I em relação ao PIB. “É pouco, na comparação com países desenvolvidos e até com nações emergentes”, diz o professor.

 

Mário Neto Borges vê perspectiva de mudança desse cenário em médio prazo. Ele lembra que o Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, ligado à Presidência da República, definiu que, até 2022, o investimento do PIB em Ciência e Tecnologia deve chegar a 2% – 1% para o setor público e 1% para o setor privado. “Já aprendemos a transformar serviço em conhecimento. O desafio agora é transformar conhecimento em riqueza”, defende o presidente do CNPq.

 

 

 

(Fonte: Jornal da Ciência – 14/07/2017)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE