Rio de janeiro
Agenda Inovação Fevereiro -   Março    -     Abril   Avançar Voltar 2018 -   2019 Avançar
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
SENAI

Notícias

Infraestruturas de pesquisas brasileiras poderão ser compartilhadas pelo Brics

O Brasil deverá compartilhar cinco grandes infraestruturas globais de pesquisa com os países membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). O anúncio deverá ser feito durante encontro que ocorrerá no início de março, em Campinas (SP). Nesta terça-feira (6), um grupo de trabalho com representantes de vários órgãos federais discutiu os preparativos da reunião do Brics.

 

A proposta é de que o Brasil, inicialmente, vai tornar acessível para receber pesquisadores e trocar experiências com os Brics algumas de suas grandes plataformas de pesquisa: a fonte de luz sincroton Sirius, o Laboratório de Integração e Testes do Inpe (LIT), o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico Vital de Oliveira, o Observatório de Torre Alta da Amazônia (Atto, na sigla em inglês) e o supercomputador, Santos Dumont.

 

O secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC, Álvaro Prata, ressaltou que o trabalho do grupo atende a demandas internacionais. “Cada vez mais o Brasil tem sido solicitado para, junto com nossos parceiros de diferentes grupos e organizações, disponibilizar suas grandes infraestruturas de pesquisa. Nós devemos ter uma atuação estratégica em relação a isso.”

 

A pauta da reunião incluiu ainda a apresentação de um mapeamento das principais infraestruturas de pesquisa existentes no país e as mais utilizadas por pesquisadores e instituições brasileiras. Esses locais poderão, futuramente, ser compartilhados com outros países.

 

O encontro tevea participação do chefe da Delegação da União Europeia (UE) no Brasil, embaixador João Gomes Cravinho, que relatou as experiências do bloco europeu no compartilhamento de infraestruturas de pesquisa. Ele destacou que cada um dos 28 estados-membros europeus conta com estruturas próprias, mas o trabalho conjunto tem coordenação muito intensa. “Isso nos permite trabalhar de forma harmonizada, para superar desafios. Não sabemos bem a distinção entre nacional e internacional em ciência e tecnologia. Nossos cientistas já pensam instintivamente como União Europeia”.

 

Cravinho ressaltou que o trabalho coordenado da União Europeia se baseia em três conceitos: a abertura a publicações científicas; o estímulo ao desenvolvimento de conhecimento e pesquisa em inovação e a abertura para o mundo, por meio da contribuição com outros países. Como exemplo, ele citou projetos desenvolvidos em parceria com o país, como a construção do cabo de fibra óptica que vai ligar o Brasil à Europa. O embaixador também apontou a possibilidade dos brasileiros participarem do fórum de infraestruturas europeias e compartilhar infraestrutura com o bloco.

 

 

 

(Fonte: MCTIC – 06/02/2018)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE